Páginas

12 fevereiro 2010

Poemeu — reedição

DA VIDA E SEU ETERNO DEIXAR PARA LÁ

Estou de saída,
arrumando uma pequena mala.
Tão pequena que não suporta mais que o essencial,
o importante, o fundamental.
Três pequenas coisas...
Coisas apenas minhas.
Que as não cobicem o próximo,
que não as contestem os ricos,
que não as admirem os pobres,
mas que as entendam as almas nobres.
Ao sair, fecho a porta
do lugar onde todo o resto está meticulosamente ordenado,
arquivado por ordem de desimportância,
por data, por autor, por assunto, por absoluto cansaço.
A chave que tranca a porta não há,
para que eu exercite a cada instante a decisão de não voltar.
Na estação, o trem que faz surgir a estrada necessária,
à medida que ela precisar existir.
Nas janelas, todas as paisagens que meu olhar construir.
Diante de mim, o percurso.
Perto de mim, todas as saídas.
Dentro de mim, a vida.
O resto é apenas tristeza passageira
pelo equívoco de um outro olhar.
Adeus.
 H.

Nenhum comentário: