Páginas

18 outubro 2009

Ah, Deus...

As postagens de saudade que li em um blog amigo acabaram comigo e nublaram o meu domingo de sol. Não é para fazer rima, verso, canção. É pura verdade, daquelas que não rendem histórias, mas que são apenas desabafo. Amanheci triste e passei o dia assim. Tenho tanta pena das pessoas que sofrem, que se apegam a pensamentos e memórias e seguem assim sangrando, achando que lembrança e saudade formam uma espécie de punição. Ai, como isso acaba comigo. Não sei como não resisto a esta imposição do sofrer. Talvez porque não tenha, eu mesma, me curado de minhas lembranças encapuzadas no manto escuro da saudade. Não sei... Quero tanto ser feliz e isso não me parece possível se as pessoas de quem gosto (ou de quem passei a gostar) tambem não se sentem assim. Ah, como eu queria que a vida fosse apenas uma brincadeira de roda; uma espécie de cada um tem sua boa vez. Não é assim. Mas hoje, tentando livrar-me do sentimento nefasto, passei o dia na praia. Voltei pensando em escrever que "não há nada que um dia de sol não consiga curar". Abri o blog com meu Otelo no colo (um dia falo dele pra vocês, com foto e tudo) e dei uma passeada  na internet antes de começar a postar. Foi aí que, lá pelo segundo ou terceiro parágrafo da postagem de um blogueiro amigo,  não consegui conter a tristeza e as lágrimas que, não fosse Otelo, nem sei onde iriam parar. Interrompi a leitura e levei Otelo para um lugar de conforto. Voltei e li o restante daquele texto de sofrimento e dor. Vi ao final que não era assinado pelo amigo querido. Na hora, devo confessar que assustou-me tamanho sofrimento para quem, como ele,  sempre fora tão contido. Pensei que ele havia surtado de dor. Aliviou-me saber que não era ele. Não conheço quem suporta tamanho sofrimento e ali  publicou sua dor. Mas seja lá quem for, que Deus se apiede e console tanta desdita. Deus, como sofremos nessa vida! Como é difícil seguir sem dor! Como somos tolos. ... e quase todos iguais. Que seu generoso manto de amor nos abrace a todos, Senhor,  e nos ajude a cumprir o que esperas de nós. Estamos todos na mesma estrada, guiados pela mesma luz. Que não nos percamos no caminho. Fiquemos com Deus, porque as dores da vida são apenas ilusão. Sejamos dóceis — quem sabe então poderemos ter por companhia o amor que um dia desejamos que estivesse conosco para sempre. Eu espero sinceramente que sim. E que Deus abençoe a todos nós.

2 comentários:

marcia disse...

Linda, primeiro quero dizer que vc acertou, sou eu sim (Marcia...rs), e te agradeço pela grata surpresa! Obrigada pelas suas pls.
Segundo, veja a tristeza como algo positivo, a gente cresce, amadurece, endurece e as lagrimas? elas no minimo limpam os olhos!..rss..
Nesse mesmo blog tb fui, e vou dizer o que postei no comentario, não existe so saudade doida.. mas tb saudade gostosa, não sentimos saudades do que não é bom, mas daquilo que um dia nos fez bem um dia. Então menina bonita! sorria! Porque você é otima!..bju

Hanna disse...

Obrigada pela sua generosidade. Valeu!
Bjs.