Páginas

29 setembro 2009

Prelúdio

Houve um tempo, não muito distante, em que se acreditava em amor eterno e lutava-se contra a finitude que devora tudo o que vive. E como o amor é apenas e somente exuberante vida... voilá. Nem sempre a densidade daqueles tempos de transbordamento terminou em um e-foram-felizes-para-sempre, mas produziram-se belas canções que imortalizaram o desejo e a resistência de amar, apesar de todas as coisas; apesar da natureza de todas as coisas. O para-sempre foi aos poucos se tornando sinônimo de enquanto-dure. Mas engana-se quem julga ter perdido tempo ao insistir em um amor que teve por destino o dilacerante fim. Finais são sempre precoces... e dilacerantes. Ou para um, ou para outro, o fim é sempre do sobrevivente que acha que durou pouco. E sempre será assim, mesmo que dure a vida toda. Até porque, meus nobres, a vida é curta e passa rápido. Somente as canções são imortais e guardam em si os doces fantasmas que habitaram aquele passado de possibilidades, enquanto possibilidades havia. Hoje, testemunhas discretas do tempo, as canções nos mostram como tudo é breve e que assim é como deverá mesmo ser. Mas nem por isso devemos desistir de acreditar que o amor é o que dá sentido à vida e nos consola da sua inexorável finitude. Ouçam esta maravilha de prelúdio de Toquinho e Vinícius, na voz de Maria Creuza, como quem lê um documento antigo de um passado que o tempo levou.
E para todos, amor de Hanna, que dura até o fim!!!!!

Falando em "para todos", visitem o blog Para todos (www.paratodosdicas.blogspot.com), porque lá tem coisas ótimas para alegrar os nossos dias de ócio e lazer.E também de amor, por que não?


Um comentário:

marcia disse...

Concordo!! e Que seja eterno e fantastico eqto durar neh mesmo..rs
Você acertou em cheio! Maria creuza é tudo de bom!
bju